sábado, 22 de novembro de 2014

FEIRA DO TROCA DE OLHOS D` ÁGUA -GO


terça-feira, 18 de novembro de 2014


terça-feira, 7 de outubro de 2014

1ª TRILHA DE CONTADORES E ENCANTADORES DE HISTÓRIAS





Projeto da Profª Nilva Belo, com incentivo da Secretaria de Estado da Cultura - SECULT GOIÁS, através do Fundo de Arte e Cultura de Goiás, e a colaboração do ITS Instituto Terceiro Setor e da Prefeitura Municipal de Alexânia GO, a 1ª TRILHA DE CONTADORES E ENCANTADORES DE HISTÓRIAS acontecerá nos dias 10 e 11 de outubro de 2014, na Praça Santo Antônio de OLHOS D'ÁGUA, Alexânia GO.


segunda-feira, 1 de setembro de 2014

JANTA DOS CARREIROS


Na sexta-feira, dia 05 de setembro de 2014, a partir das 18:00 horas, a comunidade de Olhos d'Água oferecerá um jantar de boas vindas aos carreiros que participarão da Festa do Imaculado Coração de Maria, em Alexânia.
Sob a coordenação do Seu Fiinho, Dona Maria e família, o encontro acontecerá no Salão Paroquial, Praça Santo Antônio de Olhos d'Água.
Vamos precisar do já costumeiro apoio da comunidade para conseguirmos arroz, feijão e óleo, necessários à preparação das refeições. Toda e qualquer colaboração é absolutamente bem vinda.
No sábado, após o café da manhã, os carros de boi partirão para Alexânia em procissão.







sexta-feira, 29 de agosto de 2014

ECOMUSEU DO CERRADO LAÍS ADERNE

De 10 a 12 de setembro de 2014
EVENTO DE LANÇAMENTO
Dia 10/09/2014 - 17 horas
ESCOLA DA NATUREZA - PARQUE DA CIDADE Portão 5 (Eixo Monumental) BRASÍLIA DF
11 e 12/09/2014 - a partir das 9 horas
CET/UnB CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TURISMO - Campus DARCY RIBEIRO - BRASÍLIA DF




quarta-feira, 27 de agosto de 2014

FIOFÓ DA ONÇA 2014

FIOFÓ DA ONÇA 2014 - 11 ANOS
30 de agosto (sábado) - 19h - OLHOS D'ÁGUA - Alexânia GO

O FIOFÓ DA ONÇA é, há onze anos, a última festa caipira das redondezas de Olhos d’Água.
Como uma planta rara do cerrado, rebrota anualmente nas pessoas e nas ruas, lançando suas raízes, seus ramos e galhos, juntando esforços, contribuições, suor, trabalho e risos, para dividir o precioso resultado com os habitantes do vilarejo, com os amigos, com os convidados. Aos poucos, levanta arcos de bananeira e bambu enfeitados, forra o céu de bandeirinhas e enche a noite de sons (música, falatórios, risadas soltas), de aromas e sabores típicos das antigas quermesses e das quadrilhas que ainda permeiam o convívio em lugares já quase esquecidos deste País.

Um aconchego, prazeroso e divertido, que tenta manter vivo e pulsante o espírito das mais simples festas de interior.